Armas existentes antes de 1961


Armas existentes antes de 1961 

Nuno Santa Clara Gomes

O armamento e equipamento do Exército português no início da década de 1960, decorria de três períodos distintos:

- material adquirido no final da década de 1930, perante a situação criada pela Guerra Civil espanhola e pelo início da Segunda Guerra Mundial e essencialmente de origem alemã (espingardas Mauser, metralhadoras ligeiras Dreyse e Borsig, obuses de 10,5 cm) e italiana (metralhadoras Breda, obuses de 7,5 cm). Os calibres eram os dos países do Eixo, nomeadamente o 7,92 mm (ou 7,9) das armas ligeiras;

- material recebido durante a II Guerra Mundial, sobretudo contrapartidas da utilização dos Açores. Era principalmente pesado (obuses de 8,8 cm e 14 cm, peças de 11,4 cm, peças AA de 4 e 9,4 cm). Os calibres eram essencialmente ingleses;

- material recebido após a entrada na NATO e destinado essencialmente à 3.ª Divisão (canhões sem recuo de 57 mm, 75 mm e 106 mm, metralhadoras de 12,7 mm, morteiros de 60 mm, 81 mm e 107 mm, viaturas blindadas e carros de combate). Os calibres eram os americanos, depois adoptados pela NATO, mas este material tinha restrições de emprego, pois não poderia ser utilizado fora da área da Organização (até ao trópico de Câncer).

A tendência para a uniformização dos calibres (7,62 mm para as armas ligeiras, 10,5 cm e 15,5 cm para os obuses), bem como a necessidade de dotar as tropas com uma espingarda automática ou semi-automática que substituísse a «veneranda» Mauser de repetição, tinha levado a estudar a hipótese da adopção (inclusive o fabrico nacional) de nova arma, tendo sido considerada, entre outras, a AR-10 Armalite (que viria a ser adoptada pelas tropas pára-quedistas). No entanto, em 1960 ainda não tinha sido tomada qualquer decisão sobre o assunto.
 
Entretanto, razões de estandardização e de interoperacionalidade, aliadas à existência de algum material obsoleto, levaram ao envio para as colónias das armas mais antiquadas. Foram exemplo as espingardas e metralhadoras de calibre de 7,7 mm e os obuses de 7,5 e de 8,8 cm, para os quais havia dificuldade na obtenção de munições. Pode considerar-se como operação tipo cascading, em que o material mais antigo e de complicado emprego foi remetido para as áreas onde a ameaça então considerada parecia ao alcance desses meios, obsoletos para o teatro europeu.


Índice
1 - Armas existentes antes de 1961
2 - Espingardas
3 - Metralhadoras
4 - Pistolas Metralhadoras
5 - Lança-Granadas
6 - Canhões sem recuo
7 - Morteiros
8 - Artilharia
9 - Cavalaria
10 - Orgânica
11 - Conclusões
Multi-média
» Armas de Infantaria
» Artilharia