Zonas de Operações


Zonas de Operações

Na Guiné, exceptuando o arquipélago dos Bijagós (sem interesse militar), o terreno define duas zonas militarmente diferenciadas:

- A litoral - da costa até uma linha definida de norte para sul por Cuntima - Jumbembem - Porto Gole - Xime - Xitole - Aldeia Formosa;

- O interior - para leste da linha anterior até às fronteiras com o Senegal e a Guiné-Conacri.

Contudo, durante a guerra, quer os comandos militares portugueses, quer o PAIGC dividiram o território em três zonas, separando o litoral em Norte e Sul pelo rio Geba.
A divisão da Guiné em zonas de operações obedeceu à compartimentação do terreno, mas teve em consideração as importantes clivagens étnicas e religiosas dos grupos humanos da Guiné e os apoios que os países vizinhos deram à luta militar.

Foram assim estabelecidas três zonas de operações:

- Zona Norte: São Domingos (fronteira) Farim - Teixeira Pinto (Canchungo) - Oio Morés - Bissau

- Zona Sul: Fulacunda (Quinara) - Cubisseco - Catió Cantanhez - Quitafine - fronteira

- Zona Leste: Bafatá - Gabu (Nova Lamego) - Madina - fronteira norte (Pirada) - fronteira leste (Buruntuma).


Índice
1 - Zonas de Operações
2 - Influência do meio físico nas operações.
3 - A população e a guerra
4 - O papel dos vários grupos na guerra.
5 - O desenrolar da guerra.
6 - 1963 - 1968
7 - A era Spínola
8 - 1973 - O ano da viragem.
9 - Os últimos dias
Multi-média
» A Marinha na Guiné
» A Força Aérea na...