O desenrolar da guerra.


O desenrolar da guerra

O conflito da Guiné enquadra-se, como o dos restantes territórios africanos portugueses, no âmbito geral do processo descolonizador, mas revela a particularidade de ter sido marcado pelas fortes personalidades de dois homens que a História colocou frente a frente: Amílcar Cabral e António de Spínola.

Sem tomar em consideração este confronto, será sempre incompleto o entendimento do conflito na Guiné. O PAIGC e as forças portuguesas que combateram naquele teatro de operações foram, em boa medida, modelados por ambos e foram eles que marcaram o ritmo da guerra.

Do ponto de vista português, a guerra na Guiné teve duas épocas - antes de Spínola (1963-1968) e o mandato de Spínola (1968-1973).

Do ponto de vista do PAIGC, a guerra não sofreu grandes alterações com a morte de Amílcar Cabral, porque os seus objectivos e a capacidade para os conseguir estavam já claramente definidos. Mas não é incorrecto separar o período Cabral do período pós-Cabral.


Índice
1 - Zonas de Operações
2 - Influência do meio físico nas operações.
3 - A população e a guerra
4 - O papel dos vários grupos na guerra.
5 - O desenrolar da guerra.
6 - 1963 - 1968
7 - A era Spínola
8 - 1973 - O ano da viragem.
9 - Os últimos dias
Multi-média
» Spinola uma nova...
» Guiné o Vietname...