As populações


As populações

Embora a configuração do território e a distância dos principais núcleos populacionais às zonas de operações tenham influenciado decisivamente a manobra militar, estas características geográficas provocaram ainda outro tipo de consequências, não já no plano da táctica militar, mas no do comportamento das populações.
Para a maioria dos habitantes, concentrada junto à costa e a sul, a guerra passava-se muito longe, milhares de quilómetros a norte, entre militares vindos da Metrópole e negros das regiões de fronteira.
Nem o agravamento da situação, que forçou os jovens moçambicanos a integrar unidades de combate (1969) por impossibilidade de a Metrópole fornecer os efectivos necessários, nem o alastramento da acção da Frelimo em direcção à Beira (1970/71 e seguintes) foram capazes de modificar a atitude de quem vivia mais a sul, confiando em que a Africa do Sul, a duas horas de distância, interviria em caso de necessidade.
Nesta situação, que um jornalista francês descreveu como a de «um país em guerra, mas que não quer saber», o conflito real assentou principalmente nos Macondes e Ajauas/Nianjas.
Os Macondes vivem no planalto de Mueda e na serra do Mapé. Estimava-se que cerca de cento e noventa mil estavam em Moçambique e trezentos e quarenta mil na Tanzânia. Os Macondes são um povo com características bem identificadas, animistas, que utilizaram o catolicismo como factor de individualização relativamente aos povos vizinhos islamizados, tendo fornecido à guerrilha alguns dos seus melhores comandantes.
Por sua vez, os Nianjas e Ajauas vivem na região do lago Niassa, tanto em território de Moçambique como do Malawi e até na Tanzânia. São povos de agricultores e islamizados, estimando-se que vivessem em Moçambique trinta mil Nianjas e cento e vinte e cinco mil Ajauas, que integraram em número significativo as fileiras da guerrilha. Os Macuas, ou Macuas/Lómue, representam a etnia mais numerosa de Moçambique, com cerca de 40 por cento da população, estendendo-se pelos distritos do Niassa, Nampula, Moçambique e Zambézia.
Os portugueses opuseram os Macuas, em processo de islamização aos Macondes, de modo a evitar que aqueles ultrapassassem primeiro o rio Messalo e depois descessem para sul do rio Lúrio.


Índice
1 - Geografia
2 - O meio físico
3 - As populações
4 - Os interesses em presença
5 - O conflito
6 - Antecedentes
7 - O início da guerra
8 - Evolução da guerra até 1967
9 - Mueda, terra da guerra