Defesa de pontos sensíveis


Defesa de pontos sensíveis

A primeira missão das unidades era assegurar a defesa de determinados pontos sensíveis: povoações, instalações de importância política, administrativa, económica e militar, pontes e nós de comunicações.

A força que recebia a missão de defender um ponto sensível devia estabelecer medidas de segurança, para evitar ser surpreendida e articular-se de modo a resistir a um ataque, as quais incluíam postos de sentinela ou de vigia, a medida mais vulgar; iluminação nocturna, dependente da potência dos geradores; obstáculos, redes de arame, campos de minas e armadilhas e um sistema de alarme.

Estas medidas genéricas aplicavam-se, com adaptações, na defesa de uma povoação e de postos militares isolados.

Os postos de sentinela estavam muitas vezes protegidos com sacos de terra e redes de arame, o que conferia alguma protecção quando conjugados com minas e armadilhas e com um sistema de alarme, mesmo improvisado com latas penduradas.


Índice
1 - Guerrilha e contraguerrilha
2 - Defesa de pontos sensíveis
3 - A guerra dos itinerários
4 - Patrulhamento
5 - Batida e limpeza
6 - O golpe de mão
7 - A emboscada
8 - Operações de interdição de fronteira
9 - Acções de interdição de fronteira
10 - Ataque a Buba
Multi-média
» Posto de vigia
» Paliçada de...
» Paliçada de...