A emboscada


A emboscada

A emboscada é uma operação realizada de surpresa sobre elementos adversos em movimento, para os aniquilar ou impedir de atingir determinados pontos, colher informações, fazer prisioneiros, apreender armas e documentos, causar danos e criar a instabilidade.

Consiste na instalação dissimulada de dispositivo adequado em local escolhido, que se designa por zona de morte, onde se detém e se ataca o inimigo.

Manter o silêncio, a dissimulação, a camuflagem, a imobilidade, a atenção permanente durante longas horas, por vezes dias, em condições climatéricas muito difíceis, com calor ou chuva, de dia ou de noite, sujeito à acção de insectos, com fome e sede, exigia grande disciplina e espírito de sacrifício por parte dos combatentes que montavam uma emboscada.
A sua realização frequente com resultados infrutíferos conduzia ao desleixo das tropas, tornando-as vulneráveis a golpes de mão e a contra-emboscadas.
Habitualmente, as emboscadas eram montadas em locais de passagem obrigatória ou provável, como desfiladeiros e passagens a vau de rios, ou junto a lavras e a fontes.
O dispositivo do grupo de combate resumia-se a uma equipa de vigilância de dois homens, uma de detenção, com metralhadora ou lança-granadas, e um grupo de assalto.


Índice
1 - Guerrilha e contraguerrilha
2 - Defesa de pontos sensíveis
3 - A guerra dos itinerários
4 - Patrulhamento
5 - Batida e limpeza
6 - O golpe de mão
7 - A emboscada
8 - Operações de interdição de fronteira
9 - Acções de interdição de fronteira
10 - Ataque a Buba