Norte de Angola


Norte de Angola

A reocupação do Norte de Angola pelas autoridades portuguesas foi condicionada pela debilidade do dispositivo militar em todos os territórios ultramarinos. Em Angola, em 1960, os efectivos militares eram inferiores a cinco mil homens, mal armados, mal equipados e mal instruídos.

Na «Resenha Histórico-Militar das Campanhas de África», documento oficial do Exército sobre a guerra, afirma-se: «Após a independência do Congo ex-Belga, a 30 de Junho de 1960, em virtude das facilidades concedidas por este novo país, os movimentos político-subversivos tornam-se mais activos, vindo a confirmar os indícios técnicos que as autoridades portuguesas possuíam de que se aproximava uma fase violenta em Angola (...) Perante o perigo, o dispositivo militar de Angola é reforçado - ainda em 1960 - com tropas metropolitanas: três companhias de caçadores especiais.»

É este «reforço» de quatrocentos homens que as autoridades portuguesas consideram adequado face à situação que evolui, aparentemente, sem causar mais preocupações ao Governo português.

A «contaminação» do Congo leva a que uma publicação oficial da época resuma a situação da seguinte maneira: « ( ... ) a actividade desenvolvida no nosso território, no final de 1960, dava os seus frutos, no Norte de Angola, pois já se notavam ali sinais de menos respeito e até de insubordinação entre alguns trabalhadores indígenas.»  (Cadernos Militares, «O Caso de Angola»).

Em Janeiro de 1961 ocorrem os acontecimentos da Baixa do Cassange e, em 4 de Fevereiro, a Casa de Reclusão Militar, a Esquadra de Polícia Móvel e a Cadeia de São Paulo são assaltadas por um grupo de guerrilheiros. Estes acontecimentos motivam a seguinte conclusão da referida resenha: «Os efectivos militares da capital, na sua maioria formados por tropas nativas, eram muito reduzidos para manter a ordem ... »
Em 15 de Março do mesmo ano, a UPA/FNLA assalta e queima povoações e fazendas no Norte, sendo de notar que em nenhuma das localidades existia guarnição militar.
É, pois, com os efectivos existentes desde Junho de 1960, incluindo o reforço das três companhias de caçadores especiais - colocadas em Cabinda, Toto e Luanda - que se inicia a reocupação do Norte e se procura garantir a segurança das pessoas e bens.

Finalmente, em 13 de Abril, perante a evidente gravidade da situação e a necessidade de medidas militares de maior amplitude, Oliveira Salazar, que passara também a ocupar a pasta da Defesa Nacional, após a tentativa de golpe de Estado que pretendia afastá-lo (golpe Botelho Moniz), ordenou o envio rápido e em força de expedições militares para Angola, saindo os primeiros contingentes de Lisboa em 19 (via aérea) e 21 (via marítima) desse mês - o primeiro contingente militar, para Angola, por via marítima embarca a bordo do navio Niassa, em 21 de Abril, os soldados embarcam com o uniforme de caqui, capacete e equipamento de campanha.

Os primeiros efectivos militares chegam, assim, a Angola, em 1 de Maio:

- dez meses após a independência do Congo ex-Belga;
- quatro meses após os acontecimentos da Baixa do Cassange;
- três meses após o assalto às prisões de Luanda;
- mês e meio após o início das acções da UPA/FNLA no Norte de Angola.

Apesar de tudo, como o citado texto oficial da história das campanhas realça, «as Forças Armadas não foram surpreendidas pela decisão do Governo: havia mais de um ano que vinham estudando a reorganização e o reforço das forças no Ultramar, com prioridade para Angola».
Depois da resposta dada pelas forças presentes em Angola vai iniciar-se a reocupação do Norte, agora por forças militares portuguesas expedicionárias.

Em 1 de Maio de 1961, chegou no navio Niassa o primeiro grande contingente militar a Luanda e, em meados desse mês, as colunas militares destas forças, constituídas por unidades do tipo batalhão e companhia de caçadores, começaram a deslocar-se para Nordeste. A fase de reocupação fora iniciada.
A prioridade do comando militar é impedir, ou no mínimo dificultar, a ligação dos guerrilheiros às bases no Congo, cortando-lhe as linhas de reabastecimento através da fronteira.

Os batalhões de caçadores 88 e 92, desembarcados do Niassa, recebem a missão de ocupar, respectivamente, Damba e Sanza Pombo, no recém-criado Sector Operacional 2, com sede no Negaje, e destacam companhias para junto da fronteira: Maquela do Zombo e Santa Cruz.

O Batalhão de Caçadores 156, ocupa São Salvador e tem uma companhia em Cuimba. Para atingir as regiões a este dos Dembos, é necessário utilizar o longo itinerário de Luanda para o Negaje por Catete, Salazar e Lucala, o único que os guerrilheiros ainda não dominavam. Uma companhia do Batalhão de Caçadores 88 demorou dezoito dias de Luanda a Maquela do Zombo, tendo de remover dois mil abatises e mais de trezentas valas que cortavam os itinerários. O batalhão de Ambrizete instala uma companhia em Santo António do Zaire e outra em Nóqui.

Forças da Marinha, desembarcadas em Ambrizete, ocupam Tomboco e Quinzau, em 14 de Junho.
O dispositivo de interdição da fronteira está montado no início de Julho, o que permite iniciar a fase de reocupação do interior dos Dembos, que vai durar cerca de quatro meses e cujos pontos mais significativos serão a tomada de Nambuangongo - Operação Viriato - , de Quipedro, da serra da Canda e da Pedra Verde, o último refúgio .


Índice
1 - Norte de Angola
2 - Autodefesa
3 - Marinha combate em terra
Multi-média
» Angola, assaltto...
» Angola 1961
» Angola - Março de...
» Salazar fala ao...
» Embarque de...
» As primeiras...
» Abertura de...