Evolução do dispositivo da Frelimo em Tete


Evolução do dispositivo da Frelimo em Tete

A Frelimo considera o 8 de Março de 1968, a data da abertura da frente de Tete. Nesse dia, forças chefiadas por José Moiane, secretário provincial do Departamento de Defesa de Tete, realizaram acções nas zonas de Chimuala e Cassuende, no vale do rio Capoche.

Em 1969, estendeu as suas acções a Vila Gamito e Furancungo e, em 1970, atravessou o rio Zambeze para sul, estendendo-se para este em direcção a Furancungo e à Angónia e para oeste em direcção ao Fingoé e ao Zumbo.
 
Em 1971, passou as primeiras armas e material de apoio para Manica e conseguiu chegar à zona de Moatize, começando a realizar acções de sabotagem na linha de caminho de ferro.

Em 1972, consolidou posições nas duas margens do Zambeze, o que possibilitou a preparação do avanço para as províncias de Manica e de Sofala.
 
Em 1973, passou por dificuldades devido à intervenção de unidades rodesianas na zona, mas abriu a frente de Manica e de Sofala.

Aproveitou ainda a grande movimentação internacional, em consequência da denúncia dos massacres de Wiryamu, e introduziu em território moçambicano uma delegação de jornalistas alemães, ingleses e zambianos.


Índice
1 - A guerra no coração de Moçambique
2 - Implicações militares
3 - Evolução do dispositivo da Frelimo em Tete